5 de dez de 2010

- e é tudo que vale a pena



Eu tinha esquecido quão bom era a sensação de te ter por perto, de te olhar, de te querer. Não queria mais sentir você tão junto, trocar sussurros e achar que você é definitivamente o que eu quero. Mas eu descobri que preciso de tudo isso, e que não quero me manter longe de você e tudo o que me trazes.
E algo me prente nesta cena e me faz querer revive-la várias vezes. Eu não sei o que me espera, eu não sei o que vai acontecer, mas que, independente disso, aconteça; por mais que demore, mas aconteça. E se algo ruim tiver que acontecer, pode ser; prefiro isso do que conviver com o sentimento de que nada foi tentado.
É incomum sentir as suas mãos nas minhas, escutar tua voz tão de perto, e a aproximação tão simultânea. É incrível como se parece e como tudo encaixa. Mesmo estando distantes, seguíamos tão próximos... Incapacitados de ver o que tinha bem a nossa frente.
Acho que nunca te contei, mas naquele dia eu disse a maior mentira de todas. Eu inventei milhares de desculpas que pareciam verdades, tentei me esconder, me esquivar. Tenho fingido algo que nunca existiu. Absolutamente nada adiantou; nem se quer o tempo. O tempo que me fez curvar em pistas molhadas não supriu a necessidade que eu precisava.
O bom de tudo é ter a certeza de que eu provoco a mesma coisa em você! E a verdade é que foi você quem me fez cantar...

0 comentários:

Postar um comentário