10 de abr de 2011

- When you look at me you don't know how I feel


Ela não queria que o champanhe surgisse como mágica em seu copo; ela queria apenas que algo a surpreende-se no meio do jantar. Ela não queria um cara perfeito, dos seus sonhos; só queria alguém que ela gostasse e gostasse dela.

Como um perfume no ar, é isso que ela sentia. Aquele sorriso de alegria por olhar fixamente em seus olhos, um brilho incomum. Poderia senti-lo por perto, quando ele encostava sua cabeça em seu ombro e pegava na sua cintura.

Isso tudo era o que ELA achava e sentia, só restava saber o que ELE achava e sentia. Ela queria um dia ser alguém pra ele, alguém que na verdade não existe e a fantasia cogitou criar. Alguém que ele realmente se esforçasse para dar certo, alguém com quem ele pudesse compartilhar sonhos e querer um futuro junto.

Seus olhos estalavam frente a situações que colocavam seu desejo em prova. Essencial. Essa é a palavra a que a ele se resumia. Sentimento. Saudade. Inventou uma desculpa para o procurar, ligou; não conseguiu. Inventou uma desculpa para dizer que ainda o amava. Também não conseguiu. Era uma garota pedindo para um menino lhe amar.

- Certo. – Ela está segurando a cabeça. – Certo. Escute. Eu não nego que estava pensando em você. Não nego que você acabou entrando no... Mas isso não quer dizer... – Ela levanta os olhos. – Eu estou pensando em você na maior parte do tempo. Essa é a verdade, eu penso em você.

1 comentários:

Laísa disse...

pela estrada da vida esbarrei pelo teu blog.
de imediato, gostei da vida que colocas nele...
pelas cores, pelos escritos...
ótima sutileza.

beijo

Postar um comentário